7 de mar de 2013

Parnasianismo e Simbolismo


Parnasianismo: a arte pela arte


Antes de falarmos exatamente desse movimento é preciso ficar atento ao contexto social e econômico da segunda metade do século XIX. A Revolução Industrial e as novas descobertas científicas fizeram com que a emoção, tão dominante no Romantismo, por exemplo, fosse deixada de lado. Era preciso agir e sentir de modo racional, frio. Assim, o Parnasianismo será esse olhar objetivo, racional na poesia. Observe que na prosa já tínhamos o Realismo para expressar essa reação ao Romantismo. Por isso, convém dizer que o Parnasianismo é antirromântico. Outra coisa importante: a poesia foi, durante muito tempo, o espaço para expressão dos sentimentos humanos, mas os poetas abandonavam a preocupação com a forma, com a feitura do poema. Assim, os parnasianos defendem a necessidade de tratar os temas poéticos com mais objetividade, sem as "lamúrias" românticas.

Para os poetas parnasianos a arte é sinônimo de beleza formal, é a arte para si mesma, a arte pela arte. Não é questão para a poesia o tratamento dos problemas sociais ou as queixas humanas, os amores sofridos. Não! Para se fazer arte é preciso saber combinar bem as palavras, respeitar as formas poéticas fixas e pronto: eis um poema bem feito! Veja o exemplo:

Vaso Chinês

Estranho mimo aquele vaso! Vi-o
Casualmente, uma vez, de um perfumado
Contador sobre o mármor luzidio,
Entre um leque e o começo de um bordado.

Fino artista chinês, enamorado,
Nele pusera o coração doentio
Em rubras flores de um sutil lavrado,
Na tinta ardente, de um calor sombrio.

M
as, talvez por contraste à desventura,
Quem o sabe?... de um velho mandarim
Também lá estava a singular figura;


Que arte em pintá-la! A gente acaso vendo-a,
Sentia um não sei quê com aquele chim
De olhos cortados à feição de amêndoa.
     Alberto de Oliveira


Observe que o poema destaca a descrição de um objeto, a perfeição formal também é presente, afinal trata-se de um soneto e uma postura objetiva, sem sentimentalismo. Assim, o assunto tratado é a descrição de um vaso e não de sentimentos humanos.

No Brasil, destacaram-se os poetas Olavo Bilac, Alberto de Oliveira e Vicente de Carvalho.

Dos citados, Olavo Bilac é o mais famoso: é a estrela maior do parnasianismo brasileiro. Leia a biografia do "Príncipe dos poetas" aqui: OLAVO BILAC
Vejam abaixo um dos poemas mais conhecidos do "poeta das estrelas":


Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto,
E abro as janelas, pálido de espanto...


E conversamos toda a noite enquanto
A via láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E ao vir do Sol, saudoso e em pranto
Inda as procuro pelo céu deserto.


Direis agora: "Tresloucado-amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Têm o que dizem, quando estão contigo?"


E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.



Nesse poema, Bilac defende, por meio de um eu-lírico mais romântico, a importância de expressar sentimentos. Os versos finais que fecham o soneto, falam sobre o segredo de ouvir as estrelas: amar. Assim, Bilac mostra por que não devemos confundir Parnasianismo com objetividade total. Os poetas brasileiros mostram que é possível sim conciliar a manifestação de sentimentos (sem o exagero próprio do Romantismo) a uma forma poética bem feita, bem cuidada.

Vamos às características importantes do Parnasianismo:
- Opção por uma poesia descritiva.
- Preocupação com a forma, preferência pelo soneto.
- Tentativa de manter uma postura mais racional diante do objeto e dos temas tratados, sem o excesso sentimental dos românticos.
- Resgate de temas da mitologia greco-romana.
- Defesa da "arte pela arte": a poesia deveria ser composta como um fim em si mesma, sem preocupação social ou como lugar de demonstrações de sentimentos, mágoas e lamentos.
- Escolha das palavras exatas para compor rimas e versos perfeitos.

- Aproximação entre o fazer do poeta e o dos artistas plásticos.

SIMBOLISMO: O DESCONHECIDO SUPERA O REAL




Outra escola importante, situada na virada do século XIX, é o Simbolismo:

Dentro do mesmo contexto de mudanças sociais e industriais, o Simbolismo mostra que as fronteiras entre a objetividade e a subjetividade são difíceis de serem definidas. A arte demonstram então a incerteza, a indefinição e o pessimismo, lançando um olhar indagador para as todas as coisas e mostrando esse olhar por meio de representações abstratas, indefinidas. Assim, os artistas usam símbolos para influenciar sentidos humanos, sem o uso da razão. É uma arte intuitiva e sensorial: explora-se os sentidos - visão, tato, olfato, audição, olfato e paladar - a percepção do perfume das flores, as cores, por exemplo, ajudam a perceber o mundo e sugerir respostas para o homem. A busca pelo místico, pela fé, a crença em um mundo além deste, enchem os poemas de um senso de mistério. Semelhantemente ao que ocorre no Romantismo, o Simbolismo retoma a centralização no "eu": NÃO há preocupação social, antes, ocorre uma busca pelo espiritual e imaterial, sem racionalismo.

Vamos às características da estética:
-Valorização dos sentidos e das sensações
-Correspondência simbólica entre o mundo visível e as essências
-Uso da sinestesia
-Subjetividade, centralização no "eu", não há preocupação social
- Busca do inconsciente
- Predomínio das sugestão sobre a descrição
- Imagens noturnas
-Temáticas da libertação na morte, na loucura, no sonho
- Misticismo

Algumas dessas características são próprias de alguns poetas da época e não da estética como um todo:

Cruz e Sousa
Em sala falamos sobre as condições pessoais do poeta, as quais influenciaram sua produção artística. Leia aqui biografia de Cruz e Sousa

Observe o poema a seguir:

Ó solidão do Mar, ó amargor das vagas, 
ondas em convulsões, ondas em rebeldia, 
desespero do Mar, furiosa ventania, 
boca em fel dos tritões engasgada de pragas. 

Velhas chagas do sol, ensanguentadas chagas 
de ocasos purpurais de atroz melancolia, 
luas tristes, fatais, da atra mudez sombria 
De trágica ruína em vastidões pressagas. 

Para onde tudo vai, para onde tudo voa, 
sumido, confundido, esboroado, à toa, 
no caos tremendo e nu dos tempos a rolar? 

Que Nirvana genial há de engolir tudo isto, 
mundos de Inferno e Céu, de Judas e de Cristo, 
luas, chagas do sol e turbilhões.

Perceba que nas duas primeiras estrofes do poema, as imagens do mar agitado e do pôr-do-sol provocam a alucinação. Em tom pessimista, a queda humana é exposta por meio dos elementos da natureza. Os questionamentos postos ao longo do poema revelam o desejo simbolista de de compreender a finalidade de estar neste mundo e a possibilidade de o indivíduo se comunicar com o absoluto (o Ser Superior, as Forças que regem o mundo).

Na poética de Cruz e Sousa é marcada ainda pela obsessão pelo branco, característica fartamente comentada em sala, bonitos!

Outro poeta importante é o mineiro Alphonsus de Guimarães (Biografia Alphonsus Guimaraens): sua principal marca é a religiosidade, o misticismo aliado à ideia de morte. A morte, inclusive, presente forte em sua história de vida, é transformada em um objeto de adoração: a presença de esquifes (caixões), panos roxos, orações fúnebres e muitos outros elementos sugerem a lembrança do tema. A morte é vista como uma passagem, necessária para libertar o ser do sofrimento humano. Lembra muito o Romantismo, né?

Não se esqueçam que essas duas estéticas de fim de século se aproximam pela preferência pelas formas fixas de versificação. Quanto ao temas, no entanto, são bem diferentes: o objetivismo parnasiano é semelhante ao Realismo. O subjetivismo simbolista é irmão do Romantismo.

É isso!

Seguem aqui os links para os slides de sala:

Parnasianismo
Simbolismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Flickr