18 de jun de 2012

Eros e Psiquê

EROS E PSIQUÊ: ENCONTRO DO AMOR COM A ALMA

       Em um dos muitos templos gregos dedicados a Afrodite, um mortal comentou que uma das filhas do rei era mais bela do que a própria deusa do amor. Tratava-se da princesa Psiquê (Alma). Logo o boato da sua formosura espalhou-se por toda a Grécia. Homens de todas as partes vinham para contemplar a beleza da mortal, abandonando de vez o templo de Afrodite. Ao saber do abandono do seu templo às ruínas, em prol da beleza de uma simples mortal, Afrodite é acometida de uma violenta cólera e desejo de vingança. Decide que a princesa Psiquê, responsável pelo desvio dos homens, deverá ser punida. A deusa pede ao filho Eros, que vá até a mortal, que com a suas flechas do amor, fira-a de maneira que se apaixone pelo ser mais desprezível de toda a Grécia, fazendo-a uma mulher infeliz. Eros desce do Olimpo, com a perversa missão de envolver Psiquê na mais triste e destruidora das paixões. Mas Eros, ao deparar-se com mulher tão bela, é ferido pelas próprias setas, apaixonando-se perdidamente por ela. Vencido pelo sentimento inesperado, Eros volta ao Olimpo, mentindo para a mãe, dizendo à deusa que cumprira a missão. Afrodite sente-se vingada.
            Apaixonado pela bela princesa, Eros não sabe como viver o seu amor por ela sem que a mãe fique sabendo. Envolto pela paixão, ele confessa os sentimentos ao deus Apolo, que promete ajudá-lo.
            De longe, Eros faz com que a amada não goste de mais ninguém. Apesar de ser a mais bela das três irmãs, Psiquê não se apaixona por pretendente algum. Vê as irmãs desposarem homens ricos, mas não se convence a amar ninguém. Ela não sabe da existência do amor de Eros, mas pressente-o. A alma sente o amor invisível e próximo, e mesmo sem o conhecer ou ver, aguarda e chama por ele. A princesa torna-se prisioneira de uma solidão voluntária.
            Preocupados com o destino da filha, os pais procuram o oráculo de Apolo. 

4 de jun de 2012

Lindezas




Tudo o que me parece meio bobo é sempre muito bonito, porque não tem 


complicação. Coisa simples é lindo. E existe muito pouco.

Caio F.


2 de jun de 2012

Literatura em cena: Biotécnico

Olá, galera do Biotécnico!

Como disse em sala em nossa última aula, estou deixando aqui os links para os textos que deverão ser apresentados. Bom trabalho!

Clique em Édipo Rei,Sófocles
( Há uma excelente adaptação juvenil chamada "A maldição de Édipo", de Luiz Galdino. Não me lembro de tê-la visto na biblioteca. Vale a pena vocês buscarem-na, pois a linguagem tá bem boazinha e o texto adaptado para o público jovem.)

Deixo aqui um trailler sobre o texto:



Sobre o mito Narciso e a ninfa Eco, achei os textos da net muito resumidos. Vou buscar alguma outra boa fonte e repasso para vocês. Mas vocês também podem procurar em bibliotecas ou ainda em dicionários de mitologia, ok?!!!

Segue um vídeo para adiantar a vocês um pouco do enredo:




O próximo na lista é Tristão e Isolda, esta obra eu tenho, portanto emprestarei para que possam lê-la pra o trabalho da equipe, ok?



Aqui, trailler de Otello, de William Shakespeare, obra que também não tem nenhum correspondente aqui na internet à altura. Fica o vídeo, mas tem o livro na biblioteca, viu?



E, para terminar, A Megera Domada, também de Shakespeare, possui também bons exemplares na biblioteca da escola. Indico o da coleção Reencontro, da editora Scipione (um da capinha verde).




Bom trabalho, pessoal! Brilhem!





Flickr