6 de abr de 2011

Redação 1º Ano

Olá, Pessoal!
Conforme prometido, deixo aqui dois textos que os ajudarão a refletir e já ir "arrumando" as ideias para escrever seu texto dissertativo.

Leiam com atenção:

Texto I: A febre da plástica teen


Por que adolescentes se submetem à plástica?
A resposta costuma ser uma só: “autoestima baixa”. Nenhuma de nossas entrevistadas se arrependeu do que fez. Explicação unânime: sentem-se muito mais seguras e felizes hoje. A declaração emblemática veio da paulista Evelise Teixeira, 16 anos, que escolheu o peito novo folheando revistas e fixando o olhar no colo de Deborah Seco, inflado com 235 mililitros de silicone. Evelise, já com a réplica do que a atriz ostenta, resume o espírito da época: “É assim – ou você tem beleza, tem peitão ou não é ninguém”. Franca, enumera: “Nas novelas, toda garota tem, no cinema idem, no colégio há várias... até secretária do meu pai está com os seios da moda”. O redesenho do corpo se tornou uma necessidade teen – até os garotos resolveram aderir. E, para atender à explosão da demanda, as clínicas estão a todo vapor. No Brasil, cerca de 650 mil intervenções foram realizadas em 2005, 15% em jovens de 14 a 18 anos (nos Estados Unidos, não passa de 7%). Eles não desistem mesmo sabendo que o pós-operatório será sofrido. “Me informei e fui”, conta Ana Carolina Varella, 17 anos, há dois de nariz perfeito e arrebitado. “Por 20 dias fiquei feia, roxa, inchada a ponto de não abrir os olhos, mas faria de novo”. Vendo a foto de Ana antes da cirurgia, no prontuário da clínica, ninguém diria que era caso de bisturi. [...]

Em 2005, a MTV pesquisou 2.359 jovens de sete capitais e descobriu que 60% deles acreditam que pessoas bonitas têm mais oportunidades na vida. Do grupo, 55% aprovam a cirurgia estética. Ao escolher a palavra que caracteriza a geração, 37% optaram por vaidade. Não só por frivolidade, mas movida pela pressão do meio, Eimmy Kaitazoff, 17 anos, colocou 275 mililitros de silicone no peito. Nascida no Uruguai, mudou-se aos 11 anos para o Brasil e notou uma enorme diferença. “As garotas da mesma idade já tinham formas arredondadas. Aos 13, assumiam atitudes de mulher, beijavam e trocavam de garotos, enquanto eu era infantil e deslocada.” Com a nova identidade, adquirida na sala de cirurgia, Eimmy adotou decotes e biquínis com desenvoltura. “Se continuasse no Uruguai, não sentiria o desejo de mudar. Nem meus pais aprovariam. Lá, quem põe silicone é atriz fútil ou gente de muito dinheiro.” Mas aqui, ela teve de aprender, é sinal de feminilidade e poder. “Não vejo problema na garota que quer ser um mulherão”, afirma Ana Helena Patrus, dona da Clínica Santé, em São Paulo, onde celebridades como Xuxa, Deborah Seco e Vera Fisher retocam a silhueta. “Basta que a menina esteja madura para a escolha e o desenvolvimento físico tenha estabilizado.” Como saber se um jovem está pronto para cair na faca? Aos 13 anos, Gisele foi considerada apta, fez rinoplastia e retirou 5 litros de gordura, na Santé, segundo a mãe, Tânia. “Minha filha tem 1,70 metros e agora pesa pouco mais de 60 quilos. Ela sempre foi grande, começou a engordar muito, passou pelo endocrinologista, pelo psicólogo e eles apoiaram a intervenção.” Há casos em que ela é indicada. Mas, na opinião de Noel Lima, cirurgião da Clínica das Palmeiras, no Rio de Janeiro, a maioria das mães que o procuram é perfeccionista e deseja que os filhos sejam verdadeiras esculturas. “Elas trazem as meninas e conduzem a consulta apontando o que deve ser mexido”, relata. “Se não vejo necessidade, não opero.” Em Brasília, a empresária Carolina Amaro, 49 anos e oito plásticas encontrou há dois anos uma clínica que atendesse a filha Eduarda. Hoje, com 16 anos, coleciona “artefatos” estéticos, como prótese mamária, lipo abdominal, lipo no culote e Boltox entre o nariz e as sobrancelhas. “Enfrentei a resistência do meu marido e do namorado dela. Também deixei de fazer intervenções em mim para investir num corpo perfeito para minha filha”, afirma Carolina, que acredita ter livrado a garota “da timidez e do complexo”.

ZAIDAN, Patrícia; RÓSCOE, Alessandra; SGARIONI, Mariana. Cláudia, São Paulo: Abril, ano 45, n 7, p. 70-4, jul. 2006.

Texto II: Cirurgia Plástica em Jovens, por Nayara Marques


Quando se pensa em procedimentos estéticos, se pensa em rejuvenescimento. No entanto, cada vez mais os jovens têm procurado nas cirurgias plásticas soluções para problemas como baixa autoestima e dificuldades na vida social. O cirurgião André Colaneri destaca a necessidade de o médico estar atento ao desenvolvimento tanto físico quanto psicológico do paciente. As crianças, segundo Colaneri, estão se desenvolvendo mais rápido, o que facilita a realização de cirurgias em idades menos avançadas. "Hoje, uma menina de 14 anos já está formada. Elas estão menstruando com nove, dez anos e na adolescência já têm o corpo da mãe. Então, as que chegam aqui e têm uma formação adulta estão aptas a procedimentos cirúrgicos", explica. Mas psicólogos alertam que, ao optar por métodos extremos, o jovem pode estar, de fato, fugindo de um problema real.
Ditadura da beleza X Autoconhecimento
Para a psicóloga Cleives Carvalho, vivemos uma ditadura da beleza, influenciada pela mídia. "Os canais de comunicação têm um papel preponderante na vida do indivíduo. Somos perseguidos pelo ‘PIB', o ‘Padrão Inatingível de Beleza'. E não existe a perfeição. Precisamos nos conscientizar de que não somos bonecos, somos de carne e osso. Precisamos nos conhecer para sabermos o que nos tornará mais felizes. Temos nossa beleza, basta ter coragem para despertá-la", explica. Ao realçar o que gostamos em nós seria possível evitar opções mais drásticas como uma cirurgia.
A psicóloga Lina Rosa Morais, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, explica que o culto ao corpo nasceu na década de 80: "Desde então estamos imersos numa sociedade narcísica, onde a beleza passou a ser um capital. A pressão para que o jovem tenha uma ‘boa imagem' é muito maior". Para Lina, a escolha por um processo de resultado imediato, mas invasivo é resultado de baixa autoestima intimamente relacionada à busca por se enquadrar no protótipo do que se acredita belo. "Podemos trabalhar a autoestima desenvolvendo qualidades não perecíveis como elegância, estilo, bom humor e criatividade: percorrendo um caminho um tanto custoso, mas certamente garantido: o autoconhecimento", analisa.

Fonte: http://www.bolsademulher.com/corpo/cirurgia-plastica-em-jovens-101689.html

Agora, algumas dicas preciosas:

- Fiquem atentos à crítica exposta nos textos sobre a busca adolescente pelo padrão ideal de beleza. Observe, por exemplo, que essa busca está norteada por valores divulgados pela mídia e pela necessidade de aceitação social e pessoal: "Evelise Teixeira, 16 anos, que escolheu o peito novo folheando revistas e fixando o olhar no colo de Deborah Seco, inflado com 235 mililitros de silicone." (texto I). É a necessidade de aceitação, sentimento tão comum aos jovens de todas as idades, classes e sexo.

- Não se esqueça de se posicionar de modo impessoal, o que significa dizer que frases como "eu acho", "eu penso", "eu acredito" e outras semelhantes estão rigorosamente proibidas.
- Deixe claro seu ponto de vista, conforme a proposta dada.
- Coloque título SOMENTE se estiver sendo solicitado.
- Caso a sua proposta textual venha em forma de pergunta, observe se, no decorrer do seu texto, você conseguiu responder ao que foi perguntado.

Boa Prova, Queridos!

Beijão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Flickr