20 de dez de 2010

Timbre de veludo

A voz de quem se ama
tem o timbre do veludo exato.
Tem o peso e a medida
da luz quando pousa
na superfície do lago

A voz de quem se ama
tem a transparência
de uma gota de orvalho
quando escorre
pelas frestas da tarde.

A voz de quem se ama
é a mistura perfeita
de estrelas e sinos e harpas
e acorda em nossa pele
os acordes mais secretos.
Roseana Murray

Um comentário:

  1. Dani, voltei alguns anos na memória e lembrei-me com saudade de um dos primeiros poemas dela que li e me apaixonei.Gosto da simplicidade da autora, de dizer e ser compreendida, dos recursos de sonoridade e de ser tudo tão simples e belo.Linda escolha.

    Um ótimo Natal e Ano Novo.Foi muito bom ter você, colega e amiga especial, neste ano tão cansativo!Estou aqui, sempre.Para o que precisar.
    Meu abraço carinhoso.

    ResponderExcluir

Flickr