4 de nov de 2010

De pé

Depois de todo esse vento,
Sobraram desmaios em mim.
Desabei. Caí das nuvens.
Justo eu, intensa e firme,
 Que pensava ser feita de amor!

Escondo o sorriso e vejo um rio
Correr por dentro, prometendo desaguar nos olhos.
As incertezas trazem derrames e da flor
Sobra um espinho agudo e perfurante.

Mas, perdão se não cedo!
Continuo constituída de um material
Sólido e eterno como a alegria que
Não deixa meu ser se entregar.

Há dores ainda. Desilusões, aos montes.
Porém, mais forte que a dor é a certeza
De que o Sol da justiça nasceu por mim e

Deu-me o encargo de ser incondicionalmente feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Flickr