16 de jun de 2010

Marisa Monte: é fugere urbem puro!!!!

Pessoal,

Vejam, abaixo, a letra da canção Vilarejo, da Marisa Monte. Assim como o poema do Drummond que trabalhamos em sala, a música é um diálogo moderno com a temática do Arcadismo.

Há um vilarejo ali
Onde areja um vento bom
Na varanda, quem descansa
Vê o horizonte deitar no chão

Pra acalmar o coração
Lá o mundo tem razão
Terra de heróis, lares de mãe
Paraiso se mudou para lá

Por cima das casas, cal
Frutas em qualquer quintal
Peitos fartos, filhos fortes
Sonho semeando o mundo real

Toda gente cabe lá
Palestina, Shangri-lá

Vem andar e voa
Vem andar e voa
Vem andar e voa

Lá o tempo espera
Lá é primavera
Portas e janelas ficam sempre abertas
Pra sorte entrar

Em todas as mesas, pão
Flores enfeitando
Os caminhos, os vestidos, os destinos
E essa canção
Tem um verdadeiro amor
Para quando você for.

Observem que a descrição do vilarejo como um lugar capaz de "acalmar o coração", lugar de perfeição e equilíbrio é muito semelhante às características árcades que estudamos. Aqui, merece destaque o fugere urbem, a fuga da cidade, afinal, como diz a letra, até o "Paraiso se mudou para lá", por isso o convite para viver em um lugar tão harmonioso, de tanta paz, clara oposição à correria das cidades que ameaça corromper, stressar e deixar o homem, de ontem e de hoje, doidãooooooooooooooo. Há também o culto ao locus amoenus, a aurea mediocitas e o bucolismo, presenças fortes do Arcadismo.


Beijão!
Boa Prova, Lindosssss!

3 comentários:

  1. Dani, o blog ficou lindo "repaginado". O importante, na verdade é o conteúdo, a riqueza e a sabedoria das palavras que estão nele.Abraço carinhoso.
    Andréia

    ResponderExcluir
  2. gostei muito, era tudo que eu estava precisando, estou a um mês pesquisando uma musica que fale explicitamente do arcadismo e nao achava , muito obrigada vc salvou minha vida escolar !!! beijos

    ResponderExcluir
  3. Eu já achei que a letra fala sobre a vida e a morte. O vilarejo, metaforicamente falando, é o cemitério, onde todos cabem, ricos e pobres, anônimos e heróis, da Palestina ou de Shangri-lá… E por cima de suas casas, cal.

    ResponderExcluir

Flickr