6 de abr de 2010

Confissão

Esperando pela morte
como um gato
que vai pular 
na cama

sinto muita pena de
minha mulher
ela vai ver este
corpo 
rijo e
branco

vai sacudi-lo e
talvez
sacudi-lo de novo:

"Henry!"

e Henry não vai
responder.

não é minha morte que me preocupa
é minha mulher
deixada sozinha com este monte
de coisa 
nenhuma.

no entanto,
eu quero que ela 
saiba
que dormir 
todas as noites 
a seu lado

e mesmo as 
discussões mais banais
eram coisas
realmente esplêndidas

e as palavras
difíceis
que sempre tive medo de
dizer
podem agora
ser ditas:

EU TE AMO.

(Charles Bukowski - tradução de Jorge Wanderley)

Um comentário:

  1. [gato, isso é coisa de sete vidas... poeta, tem muitas mais!]

    um imenso abraço, Danielle

    Leonardo B.

    ResponderExcluir

Flickr